Escritórios do Governo do Canadá no Brasil


Seja bem-vindo ao setor de vistos do Consulado Geral do Canadá no Brasil.
Para informações sobre viagens para o Canadá e para saber como fazer um pedido de visto, consulte nossa lista de serviços abaixo.
Prestamos esses serviços aos cidadãos brasileiros ou pessoas legalmente admitidas no Brasil.

O Governo do Canadá possui os seguintes escritórios no Brasil:

Embaixada do Canadá em Brasília:

Consulado-Geral em São Paulo:

Consulado-Geral no Rio de Janeiro:

Escritório Comercial do Governo do Canadá em Belo Horizonte

Escritório Comercial do Governo do Canadá em Recife

Escritório Comercial do Governo do Canadá em Porto Alegre


Comunicado importante

Três novos Centros de Requerimento de Vistos (VACs) abrirão nos seguintes endereços:
  • 2 de outubro de 2013Avenida das Américas, 3500, Ed. Le Monde Offices – Torre Hong Kong, sala 612, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.
  • 3 de outubro de 2013: Brasilia Shopping and Tower, quadra 5, Setor Comercial Norte - SC / lote sala 1126, Brasilia.
  • 4 de outubro de 2013: Avenida das Nações Unidas, No. 12.551, salas 1809 e 1810, 18o andar, World Trade Center Sao Paulo, São Paulo.
Os  atuais VACs-CSC dessas cidades continuarão a prestar serviços normalmente até lá. Os pedidos de visto recebidos pelos VACs-CSC continuarão a ser  processados - NÃO há necessidade de contatar o Consulado Geral do Canadá. Os passaportes a serem entregues após o fechamento dos VACs-CSC serão devolvidos pelo Consulado diretamente aos requerentes.



Veja As Oportunidades De Estudar Em Outros Paises

Jovens interessados em estudar no exterior devem estar preparados para enfrentar burocracias e vencer desafios financeiros e culturais
Estudar fora do país é o sonho de muitos alunos, mas chegar lá nem sempre é tão simples. 
Burocracias na hora da inscrição e do visto, o alto custo de vida e a falta de informação chegam a ser desmotivadores. Para vencer essas barreiras, é preciso planejamento, determinação, muita pesquisa e cuidado antes de arrumar as malas.
Entre as opções mais recorrentes para estudar fora do Brasil estão: bancar todas as despesas para fazer uma graduação inteira no exterior e garantir uma vaga em universidades brasileiras que tenham convênios de intercâmbio ou dupla formação com universidades estrangeiras. No intercâmbio, os alunos ficam menos tempo, e na dupla formação os alunos passam fora cerca de dois anos e recebem um diploma diferente.
Carlos Siqueira, assessor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Paraná (UFPR), defende que esses programas enriquecem o processo de aprendizagem do aluno. “Ele acaba tendo disciplinas diferentes e acesso a conhecimentos que talvez não dominamos tão bem aqui. Convive com pessoas diferentes e terá um currículo diferente, com um percurso de empregabilidade maior”, afirma. No segundo semestre de 2013, 333 alunos da UFPR foram para fora pelo programa Ciência sem Fronteiras, 90 com bolsas da própria instituição e 15 alunos sem bolsa.
O assessor destaca ainda a adaptação do aluno a diferentes modelos de ensino, o que contribui para a formação. “A diferença está, sobretudo, na carga horária em sala de aula. Lá [EUA, Austrália e países da Europa], se tem uma carga horária pequena em sala, mas grande em trabalhos individuais”, diz Siqueira.
Estados Unidos
Areta Ulhana Galar, orientadora do centro EducationUSA Center, que ajuda alunos em seleções de universidades americanas, diz que uma das diferenças entre as instituições americanas e as brasileiras é grade curricular. “Nos EUA, os próprios alunos montam o programa. Tem algumas disciplinas básicas e várias opcionais. E todos os alunos têm um orientador para ajudar na construção desse processo”, explica.
Thiago Arzua foi atendido por Areta e hoje estuda Medicina na University of South Florida. No total, ele se inscreveu em dez universidades. “Toma bastante tempo, mas é muito mais uma questão de organização. É muito diferente de uma preparação para um vestibular. Você precisa saber se vender como candidato à universidade”, diz.
Ele explica que seu curso é dividido em duas etapas. Os alunos cursam disciplinas variadas nos primeiros quatro anos para depois se inscreverem para mais quatro anos de Medicina. Arzua ainda destaca a vantagem de morar no câmpus da universidade. “Fico a uns cinco minutos de todas minhas aulas.”

Distância não é obstáculo para estudantes
Segundo dados da Organização para Serviços Estudantis do Japão (Jasso), em 2012, o país recebeu 276 universitários brasileiros. Uma das maneiras para estudar no Japão é concorrer a bolsas de estudo oferecidas no consulado nipônico. “Nós fazemos uma seleção, com prova de língua japonesa e inglesa e algumas matérias relativas ao curso escolhido”, explica Akemi Ferreira, secretária do consulado em Curitiba.
O advogado Eduardo Mesquita (foto acima) passou um ano por lá, entre 2010 e 2011, para completar a faculdade de Direito. “Esse período foi determinante para mim, tanto no aspecto acadêmico – com oportunidade para pesquisar um país pouco estudado no Direito – como no pessoal – de viver em um país completamente diferente – e profissional.” Sobre as aulas, Mesquita comenta que as aulas começam mais tarde. “O pessoal não chega tão cansado, mas é comum ficar o dia inteiro na universidade.”
Europa
Países europeus também estão entre as opções dos estudantes. Além de aulas na língua nativa, oferecem opções de cursos e disciplinas em inglês. Um dos casos é a Finlândia, onde os professores têm mais liberdade para criar cursos e abordar conteúdos. “O interessante de se fazer uma graduação lá é que você encontra gente do mundo inteiro, o que acaba trazendo mais riqueza para o aprendizado”, diz Carlos Eduardo Guimarães, cônsul honorário da Finlândia em Curitiba.

Passo a passo
Pesquisas, papeladas e inscrições. Saiba o que precisa para estudar fora do país:
Qual universidade?
Uma das primeiras decisões é definir o país e a universidade que deseja ir. Quanto mais cedo escolher, mais tempo terá para se preparar. Para os EUA, por exemplo, deve-se preparar um currículo de atividades voluntárias e extracurriculares durante todo o ensino médio.
Gastos
Para quem vai por conta própria, planejar com antecedência e ter uma poupança preparada é importante. Uma alternativa é procurar bolsas que financiem os estudos. É possível achar informações nos sites das universidades e das embaixadas.
Processo seletivo
Prepare-se para participar de seleções, o que inclui provas de idiomas e providenciar documentos específicos, como cartas de recomendação. Informe-se sobre os requisitos necessários.
Visto
A recomendação é pedir o visto com pelo menos 60 dias de antecedência. Informações podem ser obtidas nos sites das embaixadas. Esteja pronto para apresentar toda a documentação exigida.
Onde morar
Algumas universidades possuem moradias dentro dos câmpus. Quando essa não for uma opção, a dica é ficar provisoriamente em um local próximo da universidade até conhecer melhor a nova cidade e encontrar uma acomodação definitiva.
Hora de arrumar as malas
Fique atento aos limites de bagagem. Opte por levar apenas itens pessoais. Toalhas, lençóis e coisas para casa podem ser comprados com facilidade na nova cidade.
Antes de voltar
Pesquise os editais de revalidação do diploma no Brasil para providenciar os documentos necessários para o processo, como histórico e programa das disciplinas.
Revalidação de diploma é passo essencial para quem quer voltar ao Brasil
Depois de voltar dos estudos, o diploma de graduação ou pós-graduação precisa ser revalidado para ter valor no Brasil. Para isso, é necessário acompanhar editais de universidades públicas do país, entrar com o pedido e entregar os documentos necessários.
“Os principais documentos são o diploma obtido, o histórico e o programa das disciplinas cursadas, carimbados pelo Consulado Brasileiro do local onde fez o curso e com tradução juramentada”, explica João Nilton de Oliveira, diretor da Unidade de Diplomas da UFPR.
Esses documentos são analisados pelos departamentos de cada curso, que decidem pela validação ou não.
Disciplinas a mais
Em certos casos, o aluno precisa cursar algumas disciplinas na universidade brasileira. “Quando o departamento acha que o aluno ainda precisa de alguma parte da formação para ter o diploma, ele pode cursar as matérias e depois regularizar a situação”, afirma Oliveira.
Interatividade:
E você, já estudou no exterior? Como foi sua experiência? Comente abaixo!