As 11 Rapidinhas do Blog ( Noticias )

Briga pelo consumidor
Que as gigantes de internet, Google e Facebook, estão se bicando para obter, cada uma, a maior fatia de consumidores, não é novidade. Mas a última tática da Google para desafiar a Facebook está causando polêmica: exigir que as pessoas usem a rede social Google+. Ou seja, quando a pessoa cria uma conta para usar o Gmail, YouTube e outros serviços da Google, incluindo o site de avaliação de restaurantes Zagat, está também entrando nas páginas públicas do Google+ que podem ser vistas por qualquer pessoa on-line.




Inspiração
O novo slogan da GM, “Encontre novas estradas”, tem a meta de inspirar consumidores a explorar novos destinos na vida e romper as amarras que os prendem à rotina, seja ao tomar um caminho diferente para o trabalho, tentar algo novo ou viajar para um lugar diferente. O objetivo é inserir a frase na cultura da Chevrolet, tornando-a uma espécie de missão para qualquer um que trabalhe para a marca. A inspiração vem de estratégias de marketing como as da Nike e da Apple, que tiveram sucesso ao usar os slogans “Just Do It” e “Think Different”, respectivamente, para inspirar empregados e vender tênis e computadores.



Baixa natalidade
Comunidades de todo o continente europeu, especialmente em países duramente atingidos pela crise da dívida, estão registrando quedas das taxas de natalidade que, segundo especialistas, poderão acelerar a retração e o envelhecimento de uma população europeia, já às voltas com um baixo crescimento econômico e elevados gastos públicos. Em toda a Europa as taxas de natalidade caem há décadas, mas tinham começado a aumentar em alguns países durante o surto de crescimento.



Reconectar II
A montadora aposta numa nova estratégia de marketing para dar impulso a sua maior ofensiva no lançamento de veículos em anos. Em 2013, a Chevrolet planeja apresentar ao mercado 13 veículos novos ou atualizados nos EUA e outros 12 em diferentes regiões do mundo. Em 2012, as vendas de veículos da GM nos EUA subiram 3,7%, mas a participação de mercado caiu para 17,9%, de 19,6% em 2011. Foi a primeira vez desde os primórdios da empresa, há quase 100 anos, que a GM ficou com menos de 18% do mercado. A GM já chegou a controlar metade do mercado automobilístico americano.



Calote?
O Congresso americano foi advertido pelo secretário do Tesouro, Timothy Geithner, que caso o teto da dívida não for elevado, o Governo pode descumprir obrigações de pagamento a partir de meados de fevereiro ou início de março. Ele quer que o limite de endividamento seja elevado para mais de $16,4 trilhões  de dólares o mais rápido possível. Se vai levar, ainda não se sabe, mas o fato é que se isso não acontecer, milhões de pessoas e empresas em todo o país podem ser afetadas. É que o Tesouro paga mensalmente $80 milhões de dólares em prestações aos idosos e veteranos, serviços de saúde como Medicare e Medicaid, salários e pensões dos funcionários públicos e subsídio por desemprego, entre outros.




Menos poderosa
Dona do maior valor de mercado no mundo, com seus produtos sendo o sonho de consumo de milhões de pessoas, a Apple parece estar começando a perder terreno, pois começam a surgir dúvidas sobre a capacidade de inovação da empresa. Os concorrentes avançaram no desenvolvimento de seus produtos e também no marketing. Há previsões de que as vendas do iPhone 5, por exemplo, ficaram abaixo do esperado pela Apple.
As ações da Apple cresciam quase initerruptamente desde 2009 até atingir o apogeu em meados de setembro, quando ultrapassaram os $700 dólares. 
Hoje, valem $500 dólares, uma queda de 28% em um trimestre. Para completar, na semana passada, uma série de sites questionava se a Apple não é mais “cool”, ou descolada. Alguns dizem que há o risco de ficar ultrapassada. Do jeito que a tecnologia avança rapidamente, não há de se duvidar.




Dormindo em cápsulas
A China inaugurou, recentemente, um novo hotel-cápsula. Trata-se do maior do mundo do gênero e segue a ideia desenvolvida pelos japoneses em 1979 – acomodar turistas no menor espaço possível.
Em 2012, os chineses ergueram o primeiro hotel-cápsula do país, em Xi’an, na província de Shaanxi, região central do país. Neste ano, foi a vez da cidade de Qingdao, na província de Shandong, inaugurar seu complexo de acomodações. O hotel tem 100 quartos, todos equipados com televisão LCD, conexão WiFi e computador. As medidas dos cômodos são de 1,20m de altura, um de largura e dois de comprimento.





Será o fim?
A Coca-Cola, a Pepsi e a Dr Pepper Snapple vêm se debatendo para reverter o declínio no consumo de refrigerantes nos Estados Unidos, onde as pessoas cada vez mais preferem água, café e outras bebidas. Essa queda vem ocorrendo nos últimos oito anos e, com isso, as gigantes das bebidas não conseguiram aumentar preços o suficiente para manter em alta as receitas com a bebida que, até então, era a favorita dos americanos.
A geração acostumada a beber refrigerantes está envelhecendo e os jovens – o mercado tradicional da bebida – estão hoje se voltando para a água, os energéticos e o café.




Em forma
Quer ser chefe? Então se mantenha em boa forma física. Novas pesquisas sugerem que uns quilinhos a mais ou uma cintura um pouco maior afeta a percepção que as pessoas têm sobre a liderança de um executivo e sua energia no trabalho. Especialistas em liderança e recrutadores de executivos dizem que se manter em forma, hoje, é um requisito virtual para quem quer chegar ao topo da pirâmide corporativa.
Executivos que têm cintura larga e altos índices de massa corporal tendem a ser vistos como menos eficientes no trabalho, tanto em desempenho quanto em relacionamentos interpessoais, segundo o Center for Creative Leadership. Ele é considerado menos capaz por causa de presunções sobre como o peso afeta a saúde e a estamina. Aliás, aparentemente nenhum diretor-presidente teria excesso de peso nas empresas do ranking Fortune 500, segundo Barry Posner, um professor de liderança da Faculdade de Administração Leavey da Universidade Santa Clara, USA.
Os diretores de hoje também são figuras mais públicas do que seus antecessores e precisam estar prontos para as câmeras, bem apanhados ao cortejar investidores e preparados para responder a uma emergência da companhia. Excesso de peso pode transmitir fraqueza ou falta de controle.

Sexo OpostoO site de relacionamentos parperfeito.com.br fez uma pesquisa, em dezembro, com dois mil usuários, sobre as preferências quando se trata de relação no trabalho. Todos os respondentes preferem trabalhar com um profissional do sexo oposto, seja como chefe ou como assistente.  A grande maioria das mulheres (76%) gosta mais de homens como chefes. Já entre os homens, a divisão é quase meio a meio: 51% afirmaram que preferem chefes do outro gênero.

Tem QI?
As grandes empresas estão usando cada vez mais recomendações de seu pessoal para novas contratações. O tal do QI (quem indica) funciona mesmo. Isso obviamente permite economizar tempo e dinheiro, mas torna mais difícil a situação dos candidatos desprovidos de conexões, especialmente entre os desempregados há mais tempo. A tendência, dizem especialistas, vem se intensificando desde o final da recessão, diante de um mercado de trabalho apertado e das redes de profissionais criadas no LinkedIn e Facebook. Elas podem ajudar a encontrar emprego mais rápido e permitem que uma empresa desconsidere as pilhas de currículos oferecidos por sites como o Monster.com.

Nenhum comentário:

Postar um comentário